Oó no kudji Injai, ó nó kudji Injai… Péra nó fika na Injai pom…

by pasmalu

Os espancamentos em Bafatá e Bissau são claros e inequívocos… na véspera da segunda volta, com o objectivo de intimidar a população a não votar na real mudança no nosso país. Mas estes actos intimidatórios, com a intenção de diminuir a participação popular em zonas adversas ao candidato da situação, Nuno Nabian, são por demais evidentes. Tanto mais que nunca, de forma lisa ganharia estas eleições. O PAIGC, em comunicado, denuncia estas manobras.

PARTIDO AFRICANO DA INDEPENDÊNCIA DA GUINÉ E CABO-VERDE
COMUNICADO

A segunda volta das eleições presidenciais marcadas para esta data, 18 de Maio é a festa da liberdade conquistada pelo povo guineense após anos de luta e sacrifício É a celebração da democracia e o dia e a ocasião em que o poder volta ao povo e o povo em liberdade e consciência escolhe o seu mais legítimo representante.

A Comunidade Internacional, os nossos parceiros de desenvolvimento e a sociedade civil guineense se mobilizaram massivamente para reforçar a credibilidade e dar maior visibilidade a este importante acto.

Infelizmente há registos que indicam que muita gente ainda não se ajustou as regras do exercício democrático Nas últimas horas em muitos pontos do território registaram-se ameaças, perseguições e agressões a vários destacados dirigentes do PAIGC, inclusivé pondo em causa a integridade física e a segurança do III Vice Presidente do Partido e Director Nacional da Campanha do PAIGC Baciro Djá e do Director Adjunto Botche Candé. Em Bafatá traduziu-se mesmo no espancamento dos seguintes camaradas: Matilde Indequi, Fofana Queda, Zé Rui, Dancana Binante, Deputado Infamará, Mamadú Boi DjaIó, Negue Bangurá, Alficene Candé e Paulo Alvarenga.

Há rumores de uma intenção deliberada em limitar a circulação das pessoas através de uma espécie de recolher obrigatório não decretado e assim facilitar intenções obscuras a favor do forjar dos resultados e alteração das escolhas feitas pelo povo guineense.

Em face destes elementos o PAIGC condena com a maior veemência estes e todos os actos cobardes e atentatórios dos direitos e liberdades que assistem aos cidadãos e que são simples expressão de desespero.

Expressar a sua solidariedade com todos os camaradas vítimas desses actos e exortar a todos para uma mobilização e aderência do nosso povo às urnas numa afirmação definitiva da nossa liberdade e independência através do voto.

Alertar as autoridades envolvidas no processo, nomeadamente a CNE, as CREs e a Comissão Conjunta de Asseguramento Eleitoral, assim como a comunidade internacional, os parceiros internacionais e a sociedade civil guineense a acompanharem a situação, denunciar os actos mencionados e assegurar a segurança junto das assembleias de voto para garantir a transparência necessária ao processo eleitoral.

Felicitar a todo o povo guineense por esta prova de maturidade que dá ao mundo valorizando as suas conquistas e mantendo firmes a sua auto determinação e Independência.

Viva a liberdade , viva Guiné-Bissau