Eleições à força

by pasmalu

A chamada comunidade internacional liderada pelo Ban Ki Moon, na pessoa do “passageiro frequente” Ramos Horta, caiu por estes dias em força em Bissau para passar uma mensagem sibilina: Quer queiram, quer não queiram, vão ter eleições à força!

Serão fraudulentas? Pouco importa.Vão criar conflitos graves, susceptiveis de degenerar em violência? Logo diremos que os guineenses são um povo imaturo e selvagem.

Em nada vão contribuir para a clarificação e normalização da situação política? Que se lixe, porque a democracia é isso mesmo: eleições quanto basta.

Em Bissau, o número de recenseados é extremamente baixo o que demonstra uma vontade expressa em eliminar os jovens descontentes?

Nós cá estaremos para dizer se as eleições foram justas, sérias e transparentes. O que é preciso é que esta palhaçada encenada e levada a palco por Ramos Horta, acabe depressa, custe o que custar.

As declarações sucedem-se para convencer que as eleições a 16 de Março vão mesmo acontecer. Amanhã, os que andam agora a garantir, serão os primeiros a lavar as mãos das consequências.

As culpas nunca recairão sobre os funcionários pagos a preço de ouro para criar um clima de paz e entendimento para se fazerem eleições.

Todos vêem a violência outra vez a subir e…ainda não começou a campanha.

Triste noção do que é a Democracia que esta gente tem…