N’ka mati dê!

by pasmalu

Para desespero dos chefes políticos da Guiné-Bissau, com a CEDEAO e a França à cabeça, António Indjai continua a urinar fora do penico.

Foi ele que mandou os seus comandos terroristas sovar e matar Ensa Sanhá, acusado por ele de ter tentado raptá-lo conjuntamente com Bubo Na Tchuto para o enviar para os EUA.

Ensa, segundo os putchistas, é o braço direito do diplomata da Embaixada da América em Dakar que organizou a captura dos narcotraficantes de Bissau e Conakry e os enviou para serem julgados nos EUA.

Por isso o “matou”, atirando-o para a beira da estrada, convencido que ele já não estava vivo. Trabalho mal feito. Ensa Sanhá, embora em estado critico, está vivo e o que lhe aconteceu provocou a ira dos americanos, que preparam uma vingança com todas as letras e sem nenhum perdão.

À semelhança do que Nino Vieira fazia quando queria eliminar um inimigo, organizava tudo, mandatava os executantes e ia de “férias” para fora do país. Quando o visado, e Paulo Correia foi a sua maior vítima, era preso ou morto, ele, ingenuamente, dizia que nada sabia porque estava fora.

Hoje é Serifo Nhamadjo que usa os mesmos expedientes. Organizou em colaboração com a CEDEAO a morte de Indjai e foi de viagem “médica” à Alemanha.

Amanhã sempre dirá: N’ka mati dê!

Anúncios