Promessa inquinada

by pasmalu

A ajuda que os militares agora prometem dar às autoridades norte-americanas na investigação do tráfico de drogas e armas entre chefias guineenses e a Colômbia, tem tanto de ridículo como de caricato. Diríamos: Nem para guineense ver!

Querer, como prometeu Daba Na Walna, “investigações sérias”, desde que “requeridas pelo governo”, mas defendendo logo à partida um dos principais responsáveis pelos tráficos (de drogas e armas) das acusações do Estados Unidos (António Indjai), é que não dá. De seriedade não têm nada!

Aliás, o porta-voz da DEA foi claro, quando na passada sexta-feira disse à RDP África (declarações que deixaram muita má gente aqui preocupada em Bissau) que não contavam com as autoridades guineenses para nada, nem tencionavam contar. E é evidente! Com toda a convicção afirmou afirmou aquele responsável norte-americano, “a Guiné-Bissau é um narco-estado”. E ficou ainda mais claro que nunca mais vão largar Indjai e os seus apaniguados até os julgarem nos Estados Unidos. É uma questão de tempo…

Provas? Não precisam de colaboração alguma com este nosso governo de corruptos. E são os norte-americanos que o dizem: têm informadores na Guiné-Bissau e países vizinhos, monitorizam as comunicações (vasculham emails e chamadas telefónicas), seguem os implicados via satélite, e acima de tudo têm a melhor fonte de provas: Bubo Na Tchuto (que a custo de uma boa vantagem na redução de pena, não deixará de (continuar) a falar.

Anúncios