Auto-financiamento

by pasmalu

Um dos maiores problemas que a missão CEDEAO tem na Guiné-Bissau é o do pagamento das despesas com os seus militares, que mandaram para proteger os golpistas e garantir a neocolonização por parte dos países envolvidos, especialmente o Senegal.

Vai daí engendraram um plano para sacar dinheiro às organizações internacionais. Fingiram que iriam contribuir com 49,2 milhões de euros para a reforma da Defesa e Segurança legitimando-se assim para ir sacar algum a alguma organização ou país distraído e que ainda acredite que, com esta tropa (que nem fandanga é), seria possível reformar algo.

A CEDEAO arrasta-se financeiramente ao “Deus dará” e não tem dinheiro algum e muito menos para o fazer consumir pelos “barrigons” que por aí andam. Até o ilegítimo chefe de governo, Rui Barros, que todos sempre conheceram como pessoa magra, anda gordo e anafado, com regos no “tôtice“.

Como o bando dos quatro (Senegal, Nigéria, Costa do Marfim e Burkina) tem de pagar aos seus oficiais que vivem na piscina do Azalai Hotel a violar raparigas (crianças) e a fazer pândegas diárias, então resolveram pôr à prova a inteligência dos financiadores que há muito não acreditam em nada que eles proponham, porque sai tudo furado.

Então, andam a pedinchar por meio mundo para serem apoiados no caso Mali (outro falhanço rotundo!) e vão dar dinheiro à Guiné-Bissau? A tropa-kumba ri-se satisfeita por julgar ir ter acesso a mais uns trocos para gastar com a vinda precoce do Pai Natal, enquanto que o povo dá gargalhadas por mais esta comédia de (des)enganos em que a vida política no nosso país se transformou.

Anúncios